Minas Trend: Tecendo Futuros

Pra quem não sabe, o Minas Trend é semana de moda, estilo SPFW, que acontece em Minas Gerais. O evento surgiu para fomentar a indústria da moda mineira, com o objetivo de aproximar fabricantes e lojistas e hoje é a principal plataforma de geração de negócios do setor no Brasil.

Nessa última edição, cujo tema foi “Tecendo Futuros” eu participei em conjunto com a rádio Jovem Pan. Nós fizemos uma ação que levou aos participantes do evento uma mini consultoria da Re-forma Visual. Quem passou pelo lounge da rádio pôde realizar um diagnóstico da própria imagem pessoal e receber algumas dicas e ferramentas para implementar mudanças na relação com a própria imagem pessoal.

Primeiramente eu queria agradecer à Jovem Pan e à Código Plus pelo convite para fazer parte do longe da Jovem Pan no Minas Trend. Foi incrível! Já é o meu terceiro ano no Minas Trend e fica cada vez melhor!

Nessa temporada eu não consegui acompanhar os desfiles, mas quero compartilhar com vocês o que me chamou atenção.

Observa-se todo um movimento global em prol de uma moda mais consciente e atemporal. Por isso mesmo ficar falando de tendência vai ficando cada vez menos essencial. Porém, acompanhar o rumo das tendências não deixa de ser importante já que a moda é um movimento social (pq é sobre gente!) que antecede ou acompanha mudanças sociais e históricas. E toda tendência conta uma história!

Nessa temporada eu quero destacar quatro pontos que me chamaram a atenção:

Outono/Inverno 2020

Logo na abertura essa edição já mostrou que teremos um inverno mais clean, moderno (diria até urbano!), minimalista e claro.

A paleta de cores veio repleta de brancos, off-white, cru, nudes, e nuances mais pálidas de rosa e dourado. Nas silhuetas vimos caimentos mais soltos (até oversized), sobreposições e cinturas marcadas com destaque para a roupa sem gênero, na qual blazers e sobreposições de saias sobre calças deram a tônica da democracia de estilos.

O metalizado também apareceu, principalmente em tons prateados, seja em tecidos ou acessórios. E, por falar em acessórios, esse é o meu segundo tópico.

Acessórios

Tenho observado há algum tempo uma tendência por acessórios maiores, mais dramáticos, assimétricos e urbanos. Em todas as últimas feiras em que estive haviam sempre várias opções de assimetria e conjuntos formados por peças diferentes. Também aparece forte a tendência do reaproveitamento de materiais como madeira e alumínio reciclado.

Especialmente nessa edição do Minas Trend pude conhecer pessoalmente a Soneto Jewelry. Marca carioca que vem bem com essa proposta, veja a descrição da própria marca:

“O que moveu a criação da Soneto é o desejo de desenvolver acessórios autênticos e a ideia de que joia não é apenas ouro e prata, e sim qualquer material em que se possa exercer uma ação criadora bem como a beleza, que não deve haver regras, e sim múltiplas formas. Pensando nessa diversidade criamos joias feitas em borracha flexível e aço inox, o que minimiza a incidência de alergia”.

Eu, particularmente, tenho ficado bem capturada pelos acessórios. Gosto bastante dessa proposta de impacto, mais urbana, e cada vez mais reforço a minha ideia de que os acessórios são a cereja do bolo quando o assunto é o que vestimos!

Passarela Têxtil

Nessa temporada o Minas Trend contou com um desfile das principais industrias têxteis de Minas. Foi a chamada “Passarela Têxtil”.

Toda essa edição trouxe o algodão como protagonista, ligado diretamente ao tema do evento, #Tecendofuturos, em que ressalta a importância do algodão, produto base da cadeia produtiva. É bom lembrar que a produção de algodão tem uma série de problemas ambientais.

A produção de algodão é responsável por cerca de 24% de todo o consumo de inseticidas e 11% dos pesticidas da agricultura. Além de demandar um alto consumo hídrico. O Brasil lidera a posição de maior fornecedor global do produto certificado. E em função dessas questões temos visto o crescente uso de algodão orgânico.

Essa passarela mostra, na verdade, uma tendência, que já vemos há algum tempo, de valorização das fibras naturais como algodão, linho, etc.

Palestras

Essa edição contou também com palestras de peso e eu gostaria de destacar André Carvalhal e Carla Lemos, trazendo temas de uma moda mais consciente, democrática e representativa.

Esse movimento é importante uma vez que a moda enquanto promotora de saúde e bem estar está diretamente relacionada com o conceito de representatividade.

Percebam que o futuro parece já estar aqui. Vemos mais diversidade (de materiais, propostas, pessoas, tecidos, etc), silhuetas menos marcadas por gênero, uma paleta de cores que remete ao futurismo e uma preocupação maior com a origem e impacto dos materiais utilizados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.